Os Agentes de execução e a atividade cognitiva

Autores

  • Augusto Barbosa Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

Cognição, Agente de execução, Desjudicialização

Resumo

O presente artigo dedica-se a analisar os modelos de desjudicialização da execução civil propostos nos últimos anos, no Brasil, sob a perspectiva da cognição, utilizada como critério diferenciador de atividades entre juiz e agente de execução, de modo a tentar identificar as divergências entre as propostas e alguns reflexos que a adoção desse parâmetro pode provocar na teoria e na prática. Constata-se, primeiramente, no sistema de justiça multiportas, cognição sendo desempenhada fora do Poder Judiciário. Compreende-se, também, a atividade cognitiva como inerente ao tratamento do pleito executivo. Fixadas essas premissas, analisa-se os modelos de desjudicialização propostos, identificando-se diferenças significativas quanto ao âmbito de matérias cognoscíveis pelo agente de execução em cada um deles. Conclui-se que o parâmetro, portanto, não deve ser a ocorrência da atividade cognitiva em si, mas, sim, as matérias objeto de apreciação, as consequências de sua atribuição a outro ente e/ou a existência de eventual restrição normativa que limite a análise de determinados temas ao Estado-juiz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2023-12-02

Como Citar

BARBOSA, A. Os Agentes de execução e a atividade cognitiva. Civil Procedure Review, [S. l.], v. 14, n. 2, 2023. Disponível em: https://civilprocedurereview.com/revista/article/view/306. Acesso em: 29 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigos